Bob Peak – Mestre na antiga arte dos posters ilustrados

Por muito tempo os posters de filmes eram predominantemente ilustrações. Desde o final da década de 1980, com o surgimento e popularização de softwares de edição de imagens, Hollywood adotou o uso de montagens aproveitando cenas e fotografias dos próprios filmes, mais realistas que desenhos. O resultado é que atualmente vemos muitas montagens fotográficas com padrões bastante repetitivos.

Basicamente a era dos posters ilustrados nos corredores dos cinemas ou nas capas de VHS/DVD/ blu-ray acabou, mas esse tipo de arte ainda é produzido por artistas independentes que conseguem autorização dos estúdios para criarem suas próprias versões, formando um mercado alternativo muito procurado por fãs de determinadas produções.

Um dos mais criativos e prolíficos ilustradores do século XX foi o americano Robert Peak (1928 – 1992), considerado por muitos como o pai dos posters modernos. Nascido em Dever, Colorado, Peak estudou no Art Center College of Design em Los Angeles. Após formado, se mudou para Nova York, onde começou a trabalhar no The Alexander E. Chaite Studios, uma das duas maiores empresas de ilustrações da época, produzindo campanhas comerciais.

View post on imgur.com


Preocupado com seu estilo, que considerava muito similar aos artistas que admirava, procurou tornar seu trabalho mais expressivo utilizando cores saturadas, o que não agradou muito seus empregadores na época. Porém, um amigo conseguiu marcar um encontro com um grande cliente, o Old Hickory Bourbon Liquor. O sucesso da campanha publicitária criada com a ajuda de Peak abriu espaço para outras, o levando também a fazer capas para revistas como a Time (mais de 40 capas), e diversas outras empresas.

View post on imgur.com

Um mestre em cores, desenho, textura, design e estilo, o ilustrador criou pinturas que ajudaram a vender produtos para empresas gigantes como Samsonite, 7-up, Ford e Malboro. Então que a United Artists o contratou para ajudar a promover o filme Amor, Sublime Amor (West Side Story, 1961) e a partir daí seu estilo foi considerado inovador para o cinema, pintando ilustrações com cenários e personagens.

View post on imgur.com

Bob Peak chegou a criar mais de 100 posters para filmes, entre eles: Modesty Blaise (1966), Camelot (1967); Jornada nas Estrelas – O filme (Star Trek the Motion Picture, 1979); Duelo de Gigantes (The Missouri Breaks, 1976); 007 – O Espião que me amava (The Spy Who Loved Me, 1977); Superman- O Filme (Superman, 1978), Minha Bela Dama (My Fair Lady, 1964);  Apocalypse Now (1979), Excalibur (1981), Doido para Brigar…Louco para Amar (Every Which Way But Loose, 1978); Flint Contra o Gênio do Mal (Our Man Flint, 1966).

Impossível ter vivido entre os anos 70 e 80 e não ter tido contato com a arte de Peak. Seu trabalho influenciou até desenhistas de histórias em quadrinhos como Jim Steranko, Howard Chaykin e Bill Sienkiewicz.

View post on imgur.com

“Em toda a história dos posters de cinema, poucos artistas conseguiram encontrar um nicho próprio formando uma identidade e estilo identificáveis. Bob Peak é um desses artistas. Sua assinatura se provou igualmente efetiva em promover uma variedade de filmes, indo da ficção científica aos musicais. Em cada gênero, os fãs de cinema conseguiram identificar a arte de Bob Peak. Em minha mente, as ilustrações dos grandes filmes das décadas de 60 e 70 e além são inseparáveis dos filmes em si”. (Leonard Maltin, crítico e historiador de cinema)

View post on imgur.com

007 – O Espião que me amava (The Spy Who Loved Me, 1977)

View post on imgur.com

Apocalypse Now (1979)

View post on imgur.com

Amor, Sublime Amor (West Side Story, 1961)

View post on imgur.com

Jornada nas Estrelas – O filme (Star Trek the Motion Picture, 1979)

View post on imgur.com

Camelot (1967)

View post on imgur.com


Excalibur (1981)

View post on imgur.com

Superman- O Filme (Superman, 1978)

View post on imgur.com


Minha Bela Dama (My Fair Lady, 1964)

Deixe uma resposta